O amor pode acabar?

Casais!

O texto do Pd Paulo desta semana é bom demais. Especialmente porque vemos que algumas pessoas tratam o amor como algo meio superficial, não é? Ah, e antes que eu me esqueça, no final do texto ele fala sobre os defeitos da pessoa amada e me lembrei de dividir com vocês uma frase que a mãe de uma amiga me falou quando eu tinha uns 17 anos e nunca mais saiu da minha cabeça: depois que a gente casa, os defeitos precisam virar qualidades, e as qualidades precisam virar perfeição!

Bom dia para vocês!!

Olá a todos!
Eis a ideia para vocês refletirem ao longo da semana: “o amor pode acabar?”.

Quantas vezes ouvimos expressões como estas entre pessoa que estão casadas: “O amor acabou!”, “Já não há mais nada entre nós!”.

O que poderíamos dizer a respeito da realidade que está por trás de afirmações como “o amor desapareceu”?

O que diríamos é que o desaparecimento do amor seria verdade se o amor fosse um mero sentimento. De fato, o sentimento é uma realidade muito instável e pode crescer ou diminuir, aparecer ou desaparecer.
O sentimento de amor, por exemplo, é muito afetado quando vamos perdendo a admiração pela pessoa a quem amamos. E, se não cuidarmos, pode chegar um momento em que esse sentimento desaparece por completo.

Mas não podemos nos esquecer de que o amor é muito mais do que um sentimento. O amor humano é fruto da sensibilidade, e, antes de mais nada, é fruto da inteligência e da vontade. O amor é fruto sobretudo da vontade: de um devotamento, de uma entrega, de uma doação.

Sendo fruto sobretudo da vontade, ele pode crescer cada vez mais e cresce à medida que vamos nos doando, vamos nos entregando à pessoa amada.

Cresce à medida que nos doamos, uma vez que:
-pensamos cada vez mais na pessoa amada;
-fazemos elogios;
-fazemos surpresas;
-escrevemos mensagens;
-a enchemos cada vez mais de alegria;
-procuramos agradá-la;
-lutamos contra o egoísmo, essa tendência a pensar em nós, nos nossos interesses etc, etc.

Tudo isso são doações. E a doação não pode parar!!! Como diz aquele famoso refrão que gosto de repetir: “o fogo do amor mantém-se vivo quando se queimam coisas novas”. E, se a doação não pára, não só o amor não pára como cresce cada vez mais.

O que acontece, portanto, quando uma pessoa diz que “o amor acabou”? O que acontece é que ela está identificando o amor com o sentimento. É como se ela dissesse: “o sentimento por você acabou!”. E, infelizmente, por ignorância, quase todo mundo pensa hoje que o amor é um mero sentimento. Com o casamento, é natural que esse sentimento diminua quando se veem os defeitos do outro cônjuge.

Mas um cônjuge é muito mais do que seus defeitos. Um cônjuge é alguém que “com minha inteligência” escolhi para ser meu companheiro durante a vida e alguém a quem, “com minha vontade”, vou me entregando cada vez mais, vou me doando a cada dia, fazendo esse amor crescer com solidez. A doação da vontade faz também despertar o sentimento, e não deixa que ele esmoreça, apesar de percebermos coisas que nos desagradam no outro cônjuge.

Tenhamos presente esta grande verdade no amor: “o amor é sobretudo vontade, doação”. E, se a doação não parar, o amor nunca acabará, muito pelo contrário, só crescerá com o tempo.

Uma santa semana a todos!”

Pe. Paulo M. Ramalho
falar.paulo@gmail.com

Gostaram?

Say I do.

Comente este Post

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *