Will you marry me?

Casais,

Espero que vocês gostem do pedido de hoje! Logo logo teremos as fotos do casamento que aconteceu em janeiro desse ano! Um ótimo final de semana para vocês!

“Eu sempre fui o tipo de menina-moleca, meus amigos eram sempre homens, freqüentava shows de rock, andava de skate, mas sempre sonhei em casar, construir uma família e viver o “felizes para sempre”, e por algum motivo que não sei explicar, eu sempre soube que casaria nova.

Eu conheço o Victor a mais de 10 anos, nascemos e crescemos no mesmo bairro, mas ele 9 anos mais velho do que eu, me via naquela época – obviamente – como uma criança.

Eu tenho muito claro na minha memória o dia que o encontrei em uma balada. Ele passou muito rápido por mim e a única coisa que senti naquele momento foi o perfume dele, o mais gostoso que já senti na vida.

Não tinha como deixar passar e, no auge dos meus 12, quase 13 anos, eu perguntei: “qual perfume você usa?” e ele me respondeu “Issey Miyake”. Pronto, aquela tinha sido a nossa conversa da noite.

Depois desse dia não me lembro mais de tê-lo encontrado. Acho que eu nunca falei, mas todo mundo que eu conhecia e que usava esse perfume eu pensava “nossa, é o perfume do irmão do Gui”. (Gui é o irmão mais novo do Victor, ele sempre foi mais da minha turma do que o próprio Victor, aliás, o Vi nunca se misturou muito com o pessoal que eu andava).

Foi depois de quase 10 anos, que nos encontramos em um bar sábado a tarde, em um aniversário de conhecidos em comum.  Eu estava em um carro com a minha irmã, o Gui e um amigo nosso em outro a caminho da casa do Vi para irmos todos juntos. Paramos em um posto para comprar cerveja e o Victor sequer olhou para mim, falou apenas um “Eai?”.

Já no bar, sem nenhuma explicação, ele se tornou a pessoa mais atenciosa do mundo. É como se um imã estivesse nos atraindo, não conseguíamos passar 5 minutos longe um do outro. Como eu tinha um outro compromisso no dia precisava ir embora mais cedo, mas eu não sabia o caminho de volta. Ele, a pessoa mais prestativa do mundo correu atrás de um GPS para mim como ninguém (rs). Dou risada até hoje quando lembro que ele andou quase um quarteirão inteiro para ir até o estacionamento buscar.

Os meninos tinham combinado de ir para a praia depois do bar e já no caminho, um deles bateu o carro (ironicamente era o meu ex). Não foi nada grave, mas miou a viagem de todo mundo. Então o Vi, o Gui e o Erick (o nosso amigo que estava no carro junto) voltaram para São Paulo e resolveram ir para o Kiaora.

O Erick me ligou e eu fui super resistente a ir, mas no final aceitei. La estava eu, indo com a cara e a coragem para a balada com 3 homens – foi a melhor escolha que eu fiz na minha vida até hoje. Chegando lá, obviamente, o Erick foi para um lado, o Gui para outro e sobrou eu e o Victor. Começamos a conversar e descobrimos diversas coisas em comum, e de novo, não conseguíamos nos desgrudar. Ficamos a balada inteiro juntos e só no final ele tomou a iniciativa. E foi ali, no primeiro beijo que eu soube: “É ele!”.

Hoje, juntos a 3 anos e a poucos dias do nosso casamento, eu fico pensando que eu passei a minha vida inteira procurando e lembrando do perfume do cara que hoje, é o homem da minha vida. É por esse e outros motivos que eu continuo acreditando que a vida deixa rastros, temos apenas que entendê-los. (típico sapato da cinderela que o príncipe busca o pé perfeito, só que no meu caso foi o perfume).

O pedido não poderia ter sido mais lindo. Estávamos juntos a 11 meses, sim 11 meses, mas o tempo suficiente para saber que éramos juntos que gostaríamos de passar o resto das nossas vidas.

Na noite do dia 30 para o dia 31/12 eu sonhei que ele tinha me pedido em casamento e, quando acordamos, foi a primeira coisa que contei para o Vi. Hoje ele me fala que não acreditou quando escutou, por que ele já tinha planejado tudo, exatamente no mesmo dia que eu sonhei.

Foi na virada de ano de 2011 para 2012, fomos para a casa dos pais dele em Massaguassú e, choveu super na virada, não conseguimos nem pular as ondinhas.  Como tínhamos que trabalhar no dia 02 e não queríamos pegar transito, acordamos no dia 01 super cedo para vir embora. Passando pela praia ele falou: “vamos parar para pular as ondinhas?”eu falei, “claro, vamos!”. Paramos o carro em pleno amanhecer praticamente, a praia estava deserta, só eu, ele e o barulho do mar.

Pulei minhas ondinhas e estava entrando no carro de novo quando, ainda com os pés na areia, ele falou “espera ai amor, vamos ficar aqui mais um pouquinho”.. eu pensei, ahh.. tudo bem.. e voltei para a areia.

Naquele momento ele me abraçou – lembro exatamente todas as palavras que ele usou – e me perguntou:  “Você me ama mesmo?” eu não tive dúvidas em responder um “claro que sim”, ai ele falou: “você tem certeza que passaria o resto da sua vida comigo?” claro que eu não tinha, mas não podia deixar de responder, ai então os sininhos que quase toda mulher sonha em escutar, ele continuou: “Então eu estou fazendo o pedido oficialmente (mexeu no bolso na bermuda dele, tirou o anel e falou), você quer casar comigo?”.

Foi um turbilhão de sensações, mas eu só conseguia pensar no quanto eu estava feliz e no quanto eu o amava. O anel era lindo e ele tinha desenhado especialmente para mim, não tinha como ser mais perfeito. Foi o momento mais lindo que já vivi até hoje.

Pegamos o carro e na estrada não conseguíamos parar de rir, estávamos tão felizes, tão realizados que mudamos completamente os nossos planos. Ao invés de ir para São Paulo, pegamos a estrada e fomos direto para o interior, onde meus pais e minha família estavam. Claro que antes disso liguei para todos eles contando cada detalhe e descobri que a minha mãe já sabia de tudo e, inclusive, foi com o Victor comprar o anel.

Chegando lá, eles tinham preparado um mesa com champagne,  colocaram Hey Jude! (a música que eu sempre falei que entraria na igreja) super alto, minhas avós estavam chorando, eu chorei, , minha tia… rs foi uma delicia.. passamos um dia incrível e até hoje custo a acreditar que é verdade.

É suspeito dizer, mas acho que a minha história é um típico conto de fadas, como os da Disney que todo mundo sonha em viver.”

Gostaram?

Say I Do.

Comente este Post

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentários

  1. Concordo que a vida (acho que Deus, mais precisamente) deixa rastro e que só depois entenderemos. É pra morrer de amor mesmo! Muito lindo! Parabéns!

  2. “Paramos o carro em pleno amanhecer praticamente, a praia estava deserta, só eu, ele e o barulho do mar”. Deve ter sido perfeito com o mar testemunhando !!!! O meu preferido aqui do blog!!!! Felicidades!!!!!!!!

  3. Parabéns, muita felicidade ao casal. Eu sonho um dia encontrar um desses rastros que Deus ou a vida deixa… estou cansado de me dedicar a quem nem dá a mínima pra mim. Espero um dia encontrar alguém que me ame, porque eu tenho amor de sobra para oferecer. Beijos e que vocês sejam felizes para sempre !!!!